Produtos Artesanais

Pellentesque blandit consectetur sapien et luctus? Ut auctor neque non dignissim scelerisque

Ver produtos

Germinal Orgânicos

Pellentesque blandit consectetur sapien et luctus? Ut auctor neque non dignissim scelerisque

Ver produtos

Germinal Livros

Comércio Justo de Livros de Editoras e Autores Independentes

Ver produtos

Kit Sabores da Caatinga

Peso Líquido: 146g

Ingredientes: 1 Geleia de Maracujá da Caatinga, 1 Geleia de Umbu, 1 Doce de Umbu

Características:

Produtor: Coopercuc

Certificado EcoCert, Produto Orgânico Brasil

Ver produto

Bananada (pacote)

Peso Líquido: 300g

Ingredientes: Banana Orgânica

Características: Produto Orgânico da Agricultura Familiar, Sistema Cooperativo

Produtor: Cooperafloresta

Certificado Produto Orgânico Brasil, Rede EcoVida

Ver produto

Suco de Uva Tinto Bordô

Peso Líquido: 1L

Ingredientes: 100% Uva Orgânica Bordô

Características: Produto Orgânico da Agricultura Familiar Não contém açúcar, aditivos nem conservantes

Produtor: Sítio Palmará

Certificado Produto Orgânico Brasil, Rede EcoVida

Ver produto

Mel de Abelhas Florada Silvestre

Peso Líquido: 800g

Ingredientes: 100% Mel de Abelhas

Características: Produto Agroecológico da Agricultura Familiar

Produtor: Sítio Palmará

Ver produto

Geleia de Framboesa

Peso Líquido: 400g

Ingredientes: Framboesa orgânica (80%), Açúcar Demerara Orgânico (20%)

Características: Agricultura Familiar, Orgânico, Artesanal Sem concervantes nem aditivos

Produtor: Sítio Palmará

Certificado Produto Orgânico Brasil, Rede EcoVida

Ver produto

Cúrcuma em pó

Peso Líquido: 30g

Ingredientes: Cúrcuma (açafrão da terra)

Características: Produto Orgânico da Agricultura Familiar, Sistema Cooperativo

Produtor: Cooperafloresta

Certificado Produto Orgânico Brasil, Rede EcoVida

Ver produto

Doce de Umbu de Corte

Peso Líquido: 300g

Ingredientes: Polpa de Umbu e Açúcar

Características: Agricultura Familiar, Orgânico, Sistema Cooperativo Rico em Vitamina C

Produtor: Coopercuc

Certificado EcoCert, Produto Orgânico Brasil, Rede Sabor Natural do Sertão, Aqui tem Agricultura Familiar

Ver produto

Vinagre de Maçã

Peso Líquido: 750ml

Ingredientes: 100% Maçã Orgânica

Características: Produto Orgânico e Artesanal da Agricultura Familiar Não contém açúcar, aditivos nem conservantes Fermentação Natural

Produtor: Sítio Palmará

Ver produto

Umbu-bom (pacote)

Peso Líquido: 100g

Ingredientes: Polpa de Umbu Orgânica (66,7%) e Açúcar Cristal Orgânico (33,3%)

Características: Produto Orgânico da Agricultura Familiar, Sistema Cooperativo Sem conservantes, nem corantes. Rico em Vitamina C

Produtor: Coopercuc

Certificado EcoCert, Produto Orgânico Brasil

Ver produto

Por que Germinal?

"Por todos os lados as sementes cresciam, alongavam-se, furavam a planície, em seu caminho para o calor e a luz. Um transbordamento de seiva escorria sussurrante, o ruído dos germes expandia-se num grande beijo. E ainda, cada vez mais distintamente como se estivessem mais próximos da superfície, os companheiros cavavam. Sob os raios flamejantes do sol, naquela manhã de juventude, era daquele rumor que o campo estava cheio. Homens brotavam, um exército negro e justiceiro, que germinava lentamente nos sulcos da terra, crescendo para as colheitas do século futuro, cuja germinação não tardaria em fazer rebentar a terra." (Germinal, de Émile Zola)

GERMINAL tem para nós o sentido de reunir contribuições com o objetivo de semear melhores valores na sociedade hoje, para o nosso bem e das futuras gerações. O nome GERMINAL deriva da palavra latina para semente, "germen", e é uma referência ao mês que abre a primavera no Calendário Republicano Francês, adotado durante a Revolução Francesa entre 1793 e 1805 e posteriormente durante a Comuna de Paris, no ano de 1871. Esse calendário foi organizado com base na observação da Natureza, em substituição ao calendário romano, que homenageia deuses e imperadores.

GERMINAL é também o nome da obra-prima do escritor Émile Zola, publicada em 1885, que descreve a luta pela sobrevivência dos trabalhadores nas minas de carvão do norte da França no século XIX, especialmente a partir da repressão à greve de cerca de 40.000 mineiros da Companhia de Minas de Anzin, e da exploração extrema, que ele conheceu de perto no fosso Renard, em Denain. Era o preço que a classe trabalhadora pagava, e ainda paga, pelo bem-estar da classe média e pelos luxos das elites, e que Émile Zola retratou em seu romance. O nome GERMINAL, correspondendo ao início da primavera e ao renascimento da Natureza, estabelece para Zola um paralelo com o despertar da consciência operária, a germinação nos espíritos dos trabalhadores na recusa de suas condições de vidas miseráveis.

Entendemos que a luta pela sobrevivência é a realidade até os dias de hoje para a maior parte da classe trabalhadora, e que precisamos nos libertar da escuridão daquelas minas do romance de Zola. Nós do GERMINAL queremos ser mais uma pequena semente para instrumentalizar melhores condições que nos permitam, como trabalhadores, viver com plenitude, ter o nosso lugar ao sol, e assim, por meio da escolha deste nome, reunimos uma singela homenagem à Natureza e à histórica Luta Social por uma economia mais justa. Adotamos este nome como uma referência aos princípios do nosso modesto projeto, que tem como pilares a ECOLOGIA SOCIAL e a ECONOMIA COLETIVA.


Economia Coletiva

Entendemos a ECONOMIA COLETIVA como uma transformação profunda das relações sociais e econômicas que atualmente privam o trabalhador dos meios de produção e, assim, divide o mundo do trabalho entre empregados e patrões. Uma mudança tão profunda não é possível da noite para o dia e a construção de experiências desde já, em nosso cotidiano, com bases auto-organizadas, é fundamental como aprendizado, exemplo, e para a melhoria hoje do mundo de trabalho para condições mais humanas, satisfatórias e solidárias.

Por princípio fundador na realização desta mudança está a AUTOGESTÃO, que pressupõe que todos os trabalhadores associados na atividade em questão, seja no campo da produção, prestação de serviços, entre outras, participam de igual maneira na distribuição dos benefícios e nas decisões que envolvem a gestão das atividades econômicas, sociais, educativas e políticas por meio da DEMOCRACIA DIRETA.

Experiências autogestionárias são embriões para uma sociedade que se organiza do nível mais simples para o mais complexo, formando uma federação livre, em lugar da estrutura em pirâmide atualmente formada pelo Estado, pelo Capital e pela Dominação Cultural. Portanto, uma condição essencial ao funcionamento do princípio da AUTOGESTÃO é o exercício da AUTONOMIA, que significa a independência dos trabalhadores em relação a corporações empresariais, entidades religiosas ou partidos políticos, o que não exclui a existência de opiniões, crenças e filiações de cunho pessoal, elementos constitutivos da pessoa humana.

A ECONOMIA COLETIVA envolve também um caráter POPULAR e SOLIDÁRIO, onde o objetivo principal é a promoção do bem-estar coletivo, em lugar de priorizar a obtenção de lucros e o enriquecimento de um pequeno grupo. Isso significa que os provimentos obtidos pela atividade visam a manutenção de uma vida digna para cada um dos participantes, e à medida que a iniciativa se desenvolve e prospera, e o volume de serviço aumenta, são abertos mais postos de trabalho, de forma associativa, sem a reprodução de relações patronais. Sendo assim, mais pessoas são beneficiadas, eliminando duplas ou triplas funções, jornadas, etc... que caracterizam a atual sociedade que explora a força de trabalho como uma verdadeira máquina de moer gente. Isso significa COMPROMISSO SOCIAL, que desdobra ainda na utilização dos recursos excedentes em projetos educativos, meios de comunicação popular, construção de benfeitorias para as comunidades, solidariedade política e econômica.

A obtenção da matéria prima, as condições de produção, a gestão do trabalho e a definição do valor dos produtos se guia também pelos princípios do COMÉRCIO JUSTO, procurando alinhar de forma clara e participativa toda a cadeia, desde a produção, o processamento, a logística de transporte e armazenamento, e a distribuição até o local de consumo. Para fortalecer esta cadeia é necessário fomentar o CONSUMO CONSCIENTE, que observa as relações de trabalho, as condições ecológicas, dentre outros fatores, para decidir quais produtos comercializar e consumir, e como os materiais excedentes serão posteriormente reciclados ou reutilizados. Nesse processo são valorizados os produtores tradicionais e ecológicos e segmentos como a Produção Orgânica e Agroflorestal, o Vegetarianismo e o Veganismo, o Artesanato Local, assim como Compositores e Grupos Musicais Regionais e Editoras e Publicações Independentes, exercendo um bom combate à cultura do consumismo e à cultura de massa, apoiando e praticando o conceito Faça Você Mesmo, onde também o consumidor se torna produtor.